sexta-feira, 11 de julho de 2014

CORDEL PROPÕE REFLEXÃO SOBRE AS TRADIÇÕES IDENTITÁRIAS

Uma das empresas patrocinadoras do São João bonfinense espalhou vasta propaganda na arena junina, no Parque da Cidade, alegando que “São João e tradição fazem um casamento bão” e não foi apresentado o tal ‘casamento’. A Capital Baiana do Forró e do Futebol, em ritmo de copa e copos está mais para festa de largo soteropolitana.
Consultando o dicionário Houaiss aprendemos que tradição é uma herança cultural, um conjunto de valores morais, culturais e espirituais, entre outros, passados através das gerações.

Há uma contradição em relação ao prometido com o realizado e os contraditórios são também contrariados e às vezes são do contra. A união dos opostos em benefício de um bem imaterial comum, a nossa cultura, será benéfica para a população que precisa conhecer a própria história e a diferença entre cultura popular e cultura de massa. Usar o “gosto” dos jovens como desculpa é insipiente, pois temos obrigação de educar os jovens. Clique na imagem acima para ler o folheto de cordel.

Foto: Walkíria Andrade F.
 A 1ª FEIRA DO LIVRO DO PIEMONTE NORTE DO ITAPICURU

Anunciada no panfleto oficial que divulga a programação da festa junina de Senhor do Bonfim, a 1ª Feira do Livro do Piemonte Norte do Itapicuru foi, sem nunca ter sido, uma verdadeira Feira. Uma série de desencontros e promessas de apoio não cumpridas impediram a plena realização do evento que funcionou improvisadamente apenas no segundo e terceiro dias, dos cinco programados. Estiveram presentes diversos escritores com sua produção literária: Dora Ramos, Paulo Tolentino, Renato Bandeira, Gustavo Teixeira, Edvan Cajuhi(com o acervo da ACLASB), Jotacê Freitas, os músicos Daniel Gomes e Zecrinha com CDs e a artista plástica Maria Cristina com uma exposição de quadros. Estavam à venda também livros de autores regionais, nacionais e internacionais.
O imprevisto me inspirou a compor mais três sextilhas para o cordel “A guerra de Zé do Contra...” :

O Casamento Matuto
Pra ele não tem valor
O Teatro é loucura
Que junta o riso e a dor
Zé do Contra é contra tudo
É contra até o amor.

Zé do Contra odeia livros
E os que gostam de estudar
Quanto mais analfabetos
Funcionais para usar
Zé do Contra se elege
Ao que se candidatar.

Zé do Contra é contra a feira
E a deixa entregue às traças
A de livros a de rua
A de arte de cabaça
E outras artes também
Não importa quem as faça.

domingo, 8 de junho de 2014

CORDEL BAIANO PARA DOMINGUINHOS

No dia 04/06, quarta-feira, a Rádio Sociedade da Bahia AM, realizou mais um sensacional concurso de Sanfoneiro, Cordelista e Repentista no Piso Central do Shopping Piedade, com transmissão ao vivo do evento que dá início às comemorações joaninas da emissora de rádio e do centro comercial. Desta vez os contemplados foram: Bilial do Forró, melhor sanfoneiro; Paraíba da Viola, melhor repentista; e, Clímaco Neto, o Pilô, como melhor cordelista.

Parabéns aos amigos vencedores que disputaram o concurso com mais de 20 inscritos. Sucesso à Rádio Sociedade pelo incentivo e difusão da nossa cultura. Acima você pode ler trechos do cordel: Brasileiro de Valor, de Clímaco Neto, em homenagem ao mestre Dominguinhos.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

CORDEL SOBRE MILTON SANTOS


O Programa de Pós-Graduação em Geografia, o Departamento de Geografia, e o Grupo dePesquisa: Produção do Espaço Urbano - PEU da UFBa, realizaram o I Concurso Literário Milton Santos. Este concurso, em caráter nacional, teve como principal objetivo a apreciação da obra do grande geógrafo baiano envolvendo Geografia e Literatura.
Antonio Barreto foi o vencedor em 1º Lugar na categoria Cordel. É o cordel baiano mostrando sua criatividade, competência e produtividade. 

terça-feira, 13 de maio de 2014

O LOBISOMEM BAIANO

As tradições se reinventam e o Cordel segue seu destino de narrar também os fatos escabrosos que ocorrem em nosso mundo real, virtual e sobrenatural. Com a coragem de um caçador o poeta, João Rocha, convida a todos para o lançamento do seu mais recente cordel.
 Em mensagem enviada a amigos e convidados em geral ele chama a atenção de todos sobre telefonemas anônimos que tem recebido “de indivíduos que costumam virar lobisomem, afirmando que estarão presentes ao lançamento do cordel sobre o tal que foi filmado em São Gonçalo dos Campos, a partir das 10:00h da manhã, no dia 17 próximo (sábado), no bar de Jorge, situado dentro do Condomínio Parque Flamboyants, final da Av. Paulo VI, na Pituba. Na certa, este é um risco que sempre corremos, mas é da natureza das coisas.

           Soube até que está se esboçando um movimento ("Lobisomens contra a Copa"), formado em função de que as cidades ficarão mais iluminadas durante o mês de realização dos jogos, o que tornará mais difíceis as condições para a proteção da espécie, sujeitando-a ao vandalismo daqueles que não compreendem a diversidade como normalidade, nos tempos hodiernos. 
Compreendemos a situação, mas estaremos preparados para inibir qualquer transformação espalhafatosa e antinatural, durante o lançamento de nosso modesto cordel. Por precaução, no entanto, o SAMU será contactado para, em qualquer eventualidade, atuar adequadamente. Fiquem certos  de que estaremos preparados para o diálogo franco e tranquilo, qualquer que seja situação que venha a se apresentar.
            Temos, por sinal, um  opúsculo anterior sobre o "homo lúpus", também em versos,  em que tratamos exatamente dos direitos lobisômicos no contexto do regime semiaberto da globalização, que será levado para o lançamento.”

Vamos lá, com balas de prata, alguns patuás e dicas de Zé Walter Pires.

segunda-feira, 31 de março de 2014

FESTIVAL DOS CORDELISTAS 2014

O encerramento do Festival dos Cordelistas, na Praça Cayru, dentro das festividades do 465º aniversário da capital baiana, foi realizadao pelos irmãos João Ramos e Caboquinho, dupla de Feira de Santana, que provocou risos na plateia em todos os modos de repente numa peleja que começou ao meio-dia e encerrou-se apenas à 1 da tarde. Após o show, os artistas foram cumprimentados pelos amigos e poetas: Antonio Barreto, Luiz Natividade e Zuzu Oliveira.
                       
O Palco dos Cordelistas, montado na Praça Cayru para as apresentações dos repentistas, teve o patrocínio da Fundação Gregório de Mattos. A OBPLC - Ordem Brasileira dos Poetas de Literatura de Cordel estava representada pelo presidente, Paraíba da Viola, que teve direito à uma bancada para vender folhetos.