terça-feira, 14 de abril de 2015

MAIS CORDEL NA NET


O cordel ganha um novo espaço na rede mundial de computadores.  O poeta Elton Magalhães lançou dia 13 de abril o blog 
Faça uma visita e inclua nos favoritos, basta clicar na imagem.

segunda-feira, 30 de março de 2015

SETE VERSOS, SETE BAIRROS - 466 ANOS DE SALVADOR

Uma iniciativa positiva para o cordel foi apresentada ao público no aniversário dos 466 anos da nossa capital na contracapa do jornal CORREIO, caderno 466*. Trata-se de 7 septilhas escritas por jovens de 7 bairros de Salvador participantes das oficinas de Cordel conduzidas pelo cordelista e poeta Luar do Conselheiro. Os versos contemplaram as paisagens, costumes e personalidades dos bairros de Itapuã, Lapinha, Cidade Baixa, Bairro da Paz, Cajazeiras, Pelourinho e Alto das Pombas. Mais detalhes no endereço: 

Conheça a vida e obra do poeta clicando abaixo:

sábado, 28 de março de 2015

DENI DE AMÁLIA CHEGANDO AO INFERNO!


Peço licença aos amantes do cordel para homenagear Deni - Barreto, Di Amália e Daniel - falecido dia 27/03, na cidade de Senhor do Bonfim, Sertão da Bahia. Cantor e compositor, Deni deixou um repertório de canções importantes para a formação da identidade cultural bonfinense. Lançou em 1995 uma fita K7 com 10 faixas, intitulada Nada Igual que logo em seguida foi lançado em CD. 

Deni di Amália é do Sertão Bonfinense, Norte da Bahia, onde aliou a  tradição junina à sofisticação da Bossa Nova, foi premiado nos festivais Sacramentinas 72, Canta Bahia 96 e Edézio Santos, em Juazeiro, 2002. 
Seus últimos acordes foram realizados em parcerias com André Bartilloti. As músicas estão registradas em estúdio e em breve serão lançadas em CD com um grupo que ele denomiva: A ISCA. Abaixo um poema em memória de Deni di Amália:


DENI DE AMÁLIA CHEGANDO AO INFERNO!

O menino Daniel,
Filho do mestre Barreto
E de Dona Amália Linda,
Viveu sem muito acerto;
Do Cariacá ao Rio,
Cantou tudo o que viu
E deixou o seu acervo.

Nada Igual ao que se ouvia
No repertório geral.
Era um meticuloso,
No palco não tinha igual.
Bossa Nova, MPB,
O Forró do ABC,
Com elegância total.

Amante imoderado
De cachaça e de mulher,
Cantou pra muitas amantes,
Bem-me-quer e malmequer.
Nas cordas do violão
Amarrou o coração
Atando as mãos e os pés.

Era temente a Deus,
Mas provocava os fiéis.
Dizendo ser uma mulher
O Senhor dos carrosséis.
Quem ficava indignado
Dizia que era pecado
E contra a lei dos papéis.

Sem prumo e desnorteado,
Deni era um peregrino,
Sua cruz era a viola,
Andarilho sem destino.
Perambulou pelo mundo
Como artista vagabundo,
Cantador desde menino.

Sem prato e sem patrão,
Vivia de fantasia,
Sonhando em ser Barão
No reino da melodia.
Foi um pássaro humano
Que entre acertos e enganos,
Respirava a poesia.

Um mendigo luxuoso,
Um nobre puído e bom.
Cavaleiro cervantino
Que não perdia o tom.
Era um filho legítimo
Da harmonia e do ritmo,
Sem violência, só som.

Sabedor de que vida
Era frágil e era vã,
Ele acendia a esperança
Logo cedo de manhã.
A canção atropelada
Será pra sempre lembrada
De Bonfim a Itapuã.

Deni minguou em Bonfim
‘A terra do bom começo’
Como um Orfeu, como um Dante,
No Inferno aos tropeços.
Viajou no Trem da Grota
 E o tempero da Cocota
Foi bom de lamber os beiços.

Salvador, 28 de março de 2015.
Mais videos com Deni no endereço:
https://www.youtube.com/channel/UCmV3keM80EpbVnGPQi8Gy0A 

domingo, 22 de fevereiro de 2015

CORDEL BAIANO PARA A FESTA DO BONFIM

O poeta, Elton Magalhães, está participando de um projeto com o jornal *CORREIO escrevendo belos cordéis sobre nossas festas populares. A iniciativa merece destaque pois estes eventos precisam ser compreendidos como expressão do povo. A Literatura de Cordel é uma tradição que resiste no Século XXI como linguagem literária autônoma e com a função divulgadora de fatos e opiniões.
Clique aqui para ler o texto do poeta que possui o elã necessário para exaltar a cultura da terra que tanto ama.


Publicado em 16.01.2015 - *CORREIO 



Bom de briga e de debates, Elton, como bom cabra-da-peste, não deixou barato o preconceito contra os nordestinos. Clique no vídeo ao lado e assista sua declamação do poema: TEM GENTE QUERENDO SEPARAR O NORDESTE DO RESTO DO BRASIL!

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

VIVA JOÃO UBALDO RIBEIRO!

Foi um evento bastante concorrido entre os moradores de Itaparica. Visitantes, turistas e convidados também marcaram presença junto com os familiares, amigos, personagens e  colegas de João Ubaldo. O jardim e os muros da BJMJr foi ocupado elegantemente em torno do busto do escritor que foi descerrado pela esposa Berenice e as filhas Chica, Emília e Manuela, a quem o livro é dedicado, pela organizadora da antologia Dalva Tavares Lima. "VIVA O POVO BRASILEIRO E JOÃO UBALDO RIBEIRO é uma antologia inédita com uma centena de textos produzidos por diversas celebridades do mundo literário e artístico baiano e brasileiro, além de um “álbum de arte” com reproduções de 7 obras expostas no saguão da biblioteca.
                      
 O grande atrativo do livro são os depoimentos, crônicas, análises e poemas de autores de várias gerações que vão de íntimos confrades e compadres até simples leitores de suas obras. O cordel baiano foi contemplado com a inclusão de dois textos, um de Jotacê Freitas, publicado anteriormente, e  TRIBUTO A JOÃO UBALDO RIBEIRO, de Carlos Silva, poeta, cantador e compositor: [...]
“João escreveu histórias
Com muita diplomacia
Citando em suas obras
Satisfação e alegria
De levar sempre pro mundo
O nome da nossa Bahia.[...]

Palavras de João Deixadas
Indicando as trajetórias
Iremos sempre guardar
Dentro de nossas memórias:
‘Enquanto houver quem ouça

Haverá quem conte histórias’.[...]”

Recheando ainda mais a homenagem, Maysa Miranda, poeta e cordelista, professora mestre em linguística, que tem ótimas parcerias com Bule-Bule e Val Macambira, produziu e lançou o folheto: O HOMEM QUE VIU O SORRISO DO LAGARTO E DISSE VIVA O POVO BRASILEIRO:
“[...] João Ubaldo sempre foi
Carpinteiro literário
O mundo inteiro leu
E seguiu o itinerário
Da Ilha de Itaparica
Seu mais belo cenário.

Ele era popular
Conhecia Deus e o Mundo
Pescador e diplomata
Ocupado e vagabundo
Quando estava num lugar

Ele ia até o fundo.[...]”

Teremos saudades dos aniversários do “João” todos os anos na Biblioteca. As fotos expostas trouxeram boas recordações do bom humor e da genialidade do Itaparicano mais amado do mundo. Mas a homenagem póstuma manteve a mesma alegria e diversidade das festas de aniversário. Após declaração emocionada da diretora da Biblioteca, Dalva Tavares, e o descerramento do busto, Maysa leu o seu cordel com a voz embargada e nervosa por estar diante dos familiares e amigos íntimos de João. Carlos Betão entrou em seguida para apresentar trechos do monólogo Sargento Getúlio, adaptado e dirigido por Gil Vicente, também presente ao evento. Walter Queiroz, bem descontraído, cantou, contou causos e imitou João Ubaldo, animando a plateia que sorria como se tivesse feito parte daqueles fatos. João nos dava, através de sua escrita, a sensação de que estávamos ali ao lado dele visualizando a cena palavra por palavra e ouvindo a sua voz gutural.
Após os agradecimentos de Berenice, viúva de João Ubaldo Ribeiro, aos presentes e aos distantes, a banda Caboco Capiroba, animou a plateia com um som tipicamente brasileiro e envolvente.