sábado, 8 de dezembro de 2012

CORDEL BAIANO NO MEMORIAL DA AMERICA LATINA

Antonio Barreto lançará a adaptação do conto A CARTOMANTE, de Machado de Assis, e também estarão presentes ao evento os baianos Zé Walter Pieres, Sueli Valeriano, Geraldo Maia e Moraes Moreira. Para maiores detalhes clique na imagem acima.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

CORDEL BAIANO NA X BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO CEARÁ

 
Neste sábado, 17/11, das 17 às 18 horas, na Praça do Cordel, na X Bienal Internacional do Livro do Ceará, em Fortaleza, será lançada a Coleção Reinos do Cordel. A coleção engloba romances de cavalaria, contos de origem persa-árabe, além de histórias da tradição oral de diversos povos com ilustrações fantásticas da artista Suzana Paz.

 
Os 5 livros, editados pela Editora Armazém da Cultura, traz 2 baianos como adaptadores das estórias para o cordel: José Walter Pires, com AS NOVENTA E NOVE MOEDAS DE OURO; e, Marco Haurélio, com O POBRE QUE TROUXE A SORTE DE CASAR COM UMA PRINCESA. Os demais livros são dos cearenses, Rouxinol do Rinaré, O PAPAGAIO REAL;  Evaristo Geraldo da Silva, O CONDE MENDIGO E A PRINCESA ORGULHOSA ; Arievaldo Viana, O CRIME DAS TRÊS MAÇÃS.


Esta publicação vem reforçar não só a importância do Cordel Brasileiro na educação com sua utilização como linguagem histórica, por meio do trabalho interdisciplinar literatura-história, mas também com outras disciplinas e como entretenimento que ainda atrai um público diversificado em busca de leitura com prazer.
Parabéns aos poetas e sucesso na empreitada. Salve o nosso cordel!

domingo, 11 de novembro de 2012

CORDEL BAIANO NO CINEMA

O filme, CUÍCA DE SANTO AMARO, dos diretores, Josias Pires e Joel de Almeida, é um relicário de imagens da cidade do Salvador, nas primeiras décadas do Século XX, e uma devassa na vida do polêmico escritor José Gomes, (1907-1964), vulgo Cuíca de Santo Amaro, através de depoimentos de diversas personalidades que o conheceram e que até foram vítimas de seus versos ferinos nos folhetos de cordel que ele escrevia e vendia pelas ruas da velha cidade. Associando imagens de arquivos, animação e entrevistas, a fita faz um belo relato da vida e obra deste que foi o maior poeta de cordel da Bahia, apesar das controvérsias a respeito de sua obra, considerada de baixa qualidade literária e pornográfica. Mas Cuíca não era só isso, porta da voz de uma população desinformada e sem acesso aos benefícios sociais a que teria direito, Cuíca bradava contra aqueles que se corrompiam e se aproveitavam da ingenuidade do povo. Também invadia intimidades pessoais, destacando casos bizarros e escândalos sexuais, sendo por isso, preso diversas vezes. Livrou-se dessa pecha somente anos depois, sob a proteção do Major Cosme de Farias, famoso rábula à época, que conseguiu para ele um habeas corpus permanente. Só assim ele ganhou o direito a propagandear e vender seus folhetos sem repressão policial. Esta particularidade do poeta, ser denunciador ou chantagista, é bem aproveitada no filme para uma discussão sobre a função da imprensa na sociedade, há declarações bombásticas sobre o assunto.
Seus temas e títulos até hoje causam gargalhadas nas plateias. Durante a primeira sessão foram eles, acompanhados das ilustrações das capas de Sinézio Alves, os responsáveis por risos da plateia. Trechos de seus poemas recitados por pessoas comuns, declarações de figuras históricas da Bahia, como Chocolate da Bahia, Ubiratan de Castro, Waldir Pires, Monsenhor Sadoc, Capinam, Mário Kertész, Zilda Paim, Armindo Bião, Edilene Matos, entre outros; e o embate entre os artistas plásticos Sante Scaldaferri e Mário Cravo Junior, acusado de ter agredido Cuíca e rasgado seus folhetos como vingança por ter sido citado em uma de suas obras. Todo este encanto causado em novas e velhas gerações mostra a atualidade da obra de Cuíca de Santo Amaro e a perenidade das falcatruas políticas e escândalos sexuais, tão comuns ainda hoje em nosso país.
 Momento de comoção é a participação de Jorge Gomes, filho do poeta, relatando o sofrimento da família após a morte do pai provedor, obrigando a mãe a aventurar-se numa barraca da Feira de São Joaquim para sustentar os filhos deixados por Cuíca sem nenhuma assistência oficial, por conta de sua opção pelo trabalho autônomo sem pagar assistência. Para completar a homenagem, no seu 107º aniversário de nascimento e 48º de sua morte, a Fundação Pedro Calmon em parceria com a Editora Livro.com, lançou o livro, A VERVE DE CUÍCA, reunindo 20 poemas do autor com um texto de Orígenes Lessa, que o entrevistou no Elavador Lacerda no dia 10 de junho de 1953, expondo sua maneira de mercar seus folhetos, faceta bem explorada no filme pela voz do ator Gil Vicente. O poeta Antonio Barreto, faz também singela homenagem a Cuíca, na contracapa do livro, com a septilha: ” Cuíca de Santo Amaro / Nosso amado cordelista / Nas ruas de Salvador / Foi o grande jornalista / Que nas trilhas do cordel / Destacou-se no papel / De poeta Socialista.”
Minha figuração de 5 segundos anunciando o folheto: A GAROTA DE PROGRAMA QUE SE ENTREGOU A JESUS, na Feira do Curtume, registrado pelo jornal A Tarde, de 07/11, foi consagradora, pois, não somente a minha obra, mas também a minha imagem ficou associada à do mestre e guru, Cuíca de Santo Amaro, neste filme que é um dos mais criativos sobre a vida de um artista e de uma cidade que anda com a autoestima muito em baixa.

sábado, 27 de outubro de 2012

VEM AÍ! ELE, O TAL, CUÍCA DE SANTO AMARO!

Foi divulgado neste sábado, 24/10, na coluna VIP de Telma Alvarenga, do Correio da Bahia, a boa notícia da esteia do filme "CUÍCA DE SANTO AMARO", dirigido por Joel Almeida e Josias Pires, após participação no Festival É TUDO VERDADE, em São Paulo, no mês de abril.
Os baianos poderão conhecer a vida deste controverso poeta que no Séc.XX bradou seus versos contra tudo e todos que não andavam na "linha". As exibições ocorrerão a partir do dia 9/11, no Espaço Itau de Cinema - Glauber Rocha, na programação do Festival CineFuturo - VIII Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual.

domingo, 21 de outubro de 2012

CORDEL BAIANO NA FLICA 2012

O Cordel Baiano marcou presença paralela à grande Festa Literária Internacional de Cachoeira – Flica, no ano de 2012. O poeta e Folheteiro Jurisvaldo Alves, o poeta e xilogravurista Luiz Natividade e o poeta Jotacê Freitas instalaram-se na Praça da Aclamação em frente ao canhão histórico da Independência da Bahia e do ônibus da Biblioteca Móvel. Jotacê recitou versos para a plateia que se aconchegava a cada momento; Luiz Natividade produziu xilos na hora e ainda ensinava às crianças e adultos que se interessavam; e, Jurisvaldo, com sua mala de folhetos, contava a história do cordel desde o seu surgimento até os tempos atuais.
 
A Praça da Aclamação foi um espaço mal utilizado, ocupado desordenadamente por artesãos e camelôs diversos na saída do Conjunto do Carmo, local da realização do evento. A Praça poderia ser o local para que escritores e editoras independentes pudessem expor seus livros servindo de alternativa aos visitantes que não conseguiram vaga para assistir aos debates e, também após as mesas, terem a oportunidade de conhecer a produção literária baiana contemporânea e independente.
Outra possibilidade seria a parceria com a Biblioteca Móvel para fazer a ‘FLIQUINHA’ com a presença de contadores de história e teatro infantil, pois a Praça ficou lotada de crianças durante o evento e algumas instituições locais souberem aproveitar improvisando rodas de leitura para os pequenos leitores do futuro.
Este ano a Flica contou com patrocínio da COELBA, através do Fazcultura – Secult - Governo da Bahia e PETROBRAS, através do Governo Federal. Teve apoio do FIEB/SESI, FPC, Bahiatursa, Secretaria do Turismo e Secult – Governo da Bahia e UFRB. A Livraria LDM foi eleita a livraria oficial, de forma merecida, mas ocupou um espaço reduzido para o acervo que possui, gerando desconforto aos interessados que circularam no pequeno e estreito labirinto de estantes. A Putzgrillo e a Icontent foram as empresas realizadoras do projeto e criaram na mídia a imagem de um grande evento que ficou restrito apenas à lista de convidados nacionais e internacionais de peso. As mesas temáticas foram ótimas, apesar dos contratempos de terem que ser rearranjadas de última hora, e o pequeno espaço para a plateia. O telão usado ano passado fez falta, mas nos bastidores ventilou-se que a verba foi reduzida. As atrações musicais deste ano foram mais condizentes com o objetivo da Festa que é literária e não dançante. Afinal de contas ao povão deve ser servido o biscoito fino da nossa cultura. Mateus Aleleuia, Cláudia Cunha e Roberto Mendes foram fantásticos em suas apresentações.
Com certeza este é um evento que precisa ser mantido em nosso calendário cultural, a Bahia precisa voltar a ser reconhecida do pescoço para cima e não apenas da cintura para baixo. Cachoeira é uma cidade encantadora e ficaria melhor ainda se os bares não ocupassem as ruas para que pudéssemos passear tranquilamente fotografando e fruindo seu acervo arquitetônico e natural. O Pouso da Palavra deveria estar inserido na programação com divulgação do acervo e eventos, como o lançamento do Dicionário de Baianês, que foi cooptado de última hora para a Flica e o espetáculo Contarina com a multi-artista Josin. A fiscalização da poluição sonora também poderia ser mais atuante com os proprietários de carros com som, impedindo que a trilha sonora fosse à base de pagodão, arrochão e afins.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

CORDEL BAIANO EM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO NA UNEB


A defesa da dissertação de mestrado da Profª Solange Gusmão de Andrade,  NAS TRILHAS DO CORDEL BAIANO: CONTEÚDOS SIMBÓLICOS E EFEITOS DE SENTIDOS, aconteceu ontem, 15 de outubro, às 9:00 h, no prédio da Pós-graduação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Programa de Pós-graduação em Estudo de Linguagens (PPGEL). A mesa foi composta pela orientadora da mestranda, Profª Dra. Rosa Helena Blanco, Profª Dra. Edil Silva Costa (UNEB) e Profª Dra. Lígia Negri (UFPR). A pesquisadora entrevistou os poetas Antonio Barreto, Jotacê Freitas, Franklin Maxado, Bule-Bule, Zumar Sérgio, Gilton Thomaz, Gilmara Cláudia e Creusa Meira, analisando diversos folhetos destes autores. O debate com a plateia ficou acalorado quando Solange fez uma comparação entre os folhetos “A ORIGEM DO MENSALÃO DESDE OS TEMPOS DE CABRAL”, de Antonio Barreto; e, “LUIS INÁCIO DA SILVA, O HOMEM QUE NÃO SABIA”, de Jotacê Freitas, tema que voltou à tona por conta do julgamento da Ação 470 pelo TSF. Barreto que esteve presente comentou “que a professora Solange foi serena, criativa e teve um excelente desempenho. “A Peleja Internética entre dois Cabras da Peste e uma mulher Arretada”, Gilmara, Jotacê e Barreto, deu o que falar, como também "O Jumento que entrou na Faculdade!”, mostrando que os  cordelistas baianos estão antenados com o nosso tempo, sempre preocupados com as questões sociais, políticas e educacionais !” Parabéns, Solange, pela valorização do nosso cordel.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A ARTE DE LUIS CAMPOS, O BLIND JOKER BAIANO

Finalmente, após quase dez anos de produção virtual através de diversos blogs e lista de discussão,o poeta, Luis Campos, o Blind Joker (Palhaço Cego), publica 9 folhetos impressos, editados pela Editora Vento Leste. Possuidor de um humor peculiar e crítico, Luis Campos, 58 anos, aposentado e cego, escreve nos mais variados estilos, desde a piada até o conto, passando pelo cordel e versos livres.
 No 3º Encontro de Cordelistas, realizado em 22/04, quando foi criada a Cordelteca da Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, Luis Campos nos presenteou com os cordéis: HOMENAGEM A JOSÉ ÁLVARES DE AZEVEDO & HOMENAGEM A LOUIS BRAILLE, HOMENAGEM AOS CRIADORES E DESENVOLVEDORES DO SISTEMA DOSVOX & CORDEL AO XII ENCONTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DO SISTEMA DOSVOX, I ENCONTRO BAIANO DE MULHERES CEGAS & 13º SEMINÁRIOS SOBRE ACESSIBILIDADE E CIDADANIA EM SALVADOR, todos abordando a temática da deficiência visual, assunto no qual ele se insere e defende a organização e criação de espaços e eventos culturais que agreguem os cegos e outras pessoas com necessidades especiais sem trata-los como ‘coitadinhos’.
Seguindo a tradição da sátira e crítica de costumes, Luis Campos, escreveu também os cordéis: A COPA DA BICHARADA, VAI UM ESCÂNDALO AÍ GENTE? & BRASIL...PAÍS DO FUTURO?, ALÉM DE CEGO, CORNO!, RELIGIÃO? TÔ FORA!, GP DA BICHARADA, MICHAEL JACKSON VIDA E TRAJETÓRIA!
Quem quiser conhecer mais sobre sua obra visite os blogs: revistacegoavista.blospot.com, mundocordel.blospot.com, planetaeducacao.com.br  e para manter contato com o poeta basta escrever para lc51@terra.com.br ou lc51letras@gmail.com

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O QUE É CORDEL NA LITERATURA POPULAR


video
A cidade de Feira de Santana completará 179 anos na próxima terça-feira, dia 19, e a Câmara Municipal convidou o poeta Franklin Maxado para ministrar uma palestra sobre “O CORDEL NA HISTÓRIA DE FEIRA DE SANTANA”.  Conhecida como Princesinha do Sertão, Feira é um celeiro de poetas e violeiros onde o cordel tem espaço garantido em seu Mercado Popular. Filho da cidade, Franklin Maxado, também artista plástico, ator, cantor e compositor, é um dos grandes representantes da Literatura de Cordel no Brasil reconhecido internacionalmente. Na oportunidade ocorrerá o relançamento do seu livro “O QUE É CORDEL NA LITERATURA POPULAR”, publicado pela Editora Queima-Bucha, do Rio Grande do Norte. A palestra tem início às 16 horas e o traje é passeio completo. 


sábado, 8 de setembro de 2012

LOBISOMEM VISITA A BAHIA


Quem esteve visitando a Bahia foi o poeta, compositor, cantador e capoeirista carioca Lobisomem. Discípulo de Mestre Camisa, membro da ABADÁ-CAPOEIRA e da ABLC - Academia Brasileira de Literatura de Cordel, onde ocupa a cadeira 27 tendo como patrono o poeta pernambucano Severino Milanês, Lobisomem foi ao Campo Grande, no último dia 02 de Setembro e se integrou à Feira Mensal de Livros ao lado do amigo Antonio Barreto. A interação entre os dois poetas e o público foi espontânea. Para conhecer mais o poeta Lobisomem acesse o blog: quintal-do-lobisomem.blogspot.com

terça-feira, 4 de setembro de 2012

NOVO CORDEL DE BARRETO DEFENDE A "ESTAÇÃO DA LAPA"

O poeta, Antonio Barreto, preocupado e atento à situação da cidade, escreveu mais um dos seus bem humorados cordéis. Desta vez o tema é a Estação da Lapa e o poeta foi fundo na denúncia do abandono em que se encontra este importante equipamento público. O poema é escrito em sextilhas com rimas salteadas e a capa é de Cesário. Vale à pena a leitura. Abaixo um aperitivo para aumentar o apetite:

1
Nosso terminal de ônibus
Coletivo da cidade
A grande Estação da Lapa
Tornou-se ‘favelidade’...
Um cenário assustador
De abandono e maldade.
2
É a feira do Cortume,
                                      Ou talvez São Joaquim                        
Que se transfere pra Lapa
Num cenário de motim.
E quem quiser que reclame
Que a coisa está ruim !
3
A “festa” começa cedo
Desde às cinco da matina
Em meio a tanta sujeira
Ratazana e muita urina
E o pobre do transeunte
Vai cumprindo a sua sina.
4
Fede aqui, fede acolá
Um tropeço, escorregão
Vazamento em todo canto
Gente dormindo no chão...
E o prefeito da cidade
Cuidando do coração !
5
Tudo lá na Estação
É um monte de sujeira
Só quem passa por ali
Reconhece a baboseira...
Parece que a prefeitura
Tá mesmo de brincadeira.
6
O barulho e a fumaça
Pouco a pouco aumentando
Camelôs nos quatro cantos
Vão logo se aproveitando
Daquele bizarro espaço
De bagunça e desmando.
7
O lixo vai se espalhando
E tome-lhe gritaria
Um clima desordenado
Sem nenhuma assepsia:
É a nossa Lapaguai
Da capital da Bahia !
8
O policiamento ali
Serve de decoração
Não existe segurança
Para nos dar proteção
E o povo assim dizendo:
Mata o veio, Seo João !

Para adquirir o folheto com o cordel completo, entrar em contato com o autor:
Tel.: (71) 9196-4588

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

CORDEL DA PRIMAVERA

"RECITAL POÉTICO HOMENAGEIA ESTAÇÃO DAS FLORES

Neste domingo, 02 de setembro, o carro da Biblioteca-Móvel funcionará das 08 às 12h, no Dique do Tororó. O cordelista, Jotacê Freitas, fará recital poético, com rimas e construção de cordel homenageando a chegada da primavera e a beleza das flores."


Fonte: FPC

terça-feira, 31 de julho de 2012

CORDEL NA FEIRA MENSAL DE LIVROS

"No agradável ambiente de árvores frondosas do Largo do Campo Grande, acontecerá neste domingo, dia 05 de agosto, das 9h às 17h, a tradicional Feira Mensal de Livros. Este evento transforma o local num ponto de venda de livros com preços acessíveis e leva escritores, que fazem lançamentos e sessão de autógrafos. Neste dia, o convidado é o escritor Jotacê Freitas, que irá autografar o livro Baianices, baianadas e baianidades.

Assim como em edições anteriores, a produção editorial baianas marca presença na Feira Mensal de Livros. Estarão presentes as editoras gráficas: Bazar 27, RV Quadrinhos, Cedraz, Pallas Editora, Edufba, a União baiana dos escritores (UBE), Katálogo, Sextante e a Editora GRD. A Feira de Livros e realizada pela Diretoria do Livro e da Leitura (DLL), da Fundação Pedro Calmon/SecultBA. O evento acontece sempre no 1° domingo de cada mês. A próxima edição será no dia 02 de setembro."

SERVIÇO:
 O quê – Feira de Livros convida o escritor Jotacê Freitas
 Onde – No Campo Grande, Largo do Campo.
 Quando – No domingo, dia 05 de agosto, das 9h às 17h.
 
FONTE:http://www.fpc.ba.gov.br/node/2004

sexta-feira, 20 de julho de 2012



OFICINA LITERÁRIA
O MEU NEGÓCIO É CULTURA
CORDEL COMO PRODUTO

LOCAL:  PLANET SHOW
APOIO: CDL – FEIRA DE NEGÓCIO DE BRUMADO
EXPOSITOR: JOSÉ WALTER PIRES


DIA 27/07 – SEXTA-FEIRA – A PARTIR DA 19h – ABERTURA DO STAND
·         EXPOSIÇÃO DA CORDELTECA E ACERVO LITERÁRIO BRUMADENSE
·         RECEPÇÃO DOS VISITANTES - BATE PAPO LITERÁRIO – SALA DE LEITURA
·         AUDIÇÃO DE CANTORIAS – CORDÉIS – DEPOIMENTOS - ENTREVISTAS

DIA 28/07 – SÁBADO – A PARTIR DAS 14h
·         RECEPÇÃO DOS VISITANTES – BATE-PAPO LITERÁRIO – LITERATURA DE CORDEL (VIDEO)
·         SALA DE LEITURA – EXPOSIÇÃO DE CORDÉIS CLÁSSICOS – CANTORIAS
·         RECITAÇÃO DE CORDÉIS- BATE PAPO COM ESTUDANTES E PROFESSORES
·         VÍDEO: LAMPEÃO REI DO CANGAÇO
·         AUDIÇÃO DE CANTORIAS E CAUSOS DE JESSIER QUIRINO
  • APRESENTAÇÃO DE VIOLEIROS
  • ENTREVISTA SOBRE A VIOLA COM O DR. ADRIANO REIS
  • BATE-PAPO LITERÁRIO – SALA DE LEITURA – AUDIÇÃO DE CANTORIAS

DIA 29/07 – DOMINGO - A PARTIR DAS 11h
  • BATE-PAPO COM POETAS E ESCRITORES DE BRUMADO
  • SALA DE LEITURA
  • RECITAÇÃO DE CORDÉIS E POESIAS DE OUTROS POETAS CONVIDADOS
  • ENCERRAMENTO – AGRADECIMENTOS

sexta-feira, 11 de maio de 2012

CORDEL BAIANO PARA JOVENS DA BOCA DO RIO

 "Após ganhar o Edital Mais Cultura, na categoria Literatura de Cordel Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura (MINC), jovens da Boca do Rio se reúnem todos os fins de semana para conhecer um pouco mais da arte literária que ultrapassa gerações. O projeto Cordel na Boca, realizado pela ONG Bumbá – Escola de Formação Artística, mergulha na história do Cordel, principais autores, visitas guiadas, produção literária, dramatizações, entre outros momentos pedagógicos que pretendem introduzir os jovens atendidos cada vez mais neste universo ainda pouco explorado pela maioria – a Literatura de Cordel. Os encontros, que vêm ocorrendo no bairro da Boca do Rio, terão neste domingo (13), a partir das 9h da manhã, dois visitantes ilustres – Jotacê e Antonio Barreto."


“O maior desejo é estimular o exercício da auto-estima, comunicação, relacionamentos interpessoais, capacidade de se auto gerir, tomada de decisões, enfim, contribuir para maior integração e participação dos jovens com seu entorno social e, conseqüentemente, com sua cidade e história”, explica Sérgio Bahialista pedagogo, cordelista e instrutor do projeto. A ideia é promover uma aula especial, com intercâmbio de experiências e relatos sobre o fazer da Literatura de Cordel. O projeto como um todo será realizado até o mês de agosto e culminará em uma grande mostra artística ao ar livre no próprio bairro. Serão mais de 120 horas de formação com o objetivo imprimir uma prática artístico-pedagógico que forme novos leitores e criadores de Literatura de Cordel na comunidade da Boca do Rio e com isso divulgar e preservar esta cultura popular.

"Bumbá – Escola de Formação Artística - A Bumbá - Escola de Formação Artística, é uma ONG (Organização Não- Governamental) que surgiu a partir de experiências locais na comunidade da Boca do Rio, em Salvador – BA, na perspectiva da consciência da cultura como potencial para o desenvolvimento econômico e social local. A Bumbá reúne profissionais com uma longa trajetória em instituições inovadoras na área do Terceiro Setor e na construção e desenvolvimento de metodologias de educação, arte, cultura e comunicação para a cidadania com vista à autonomia, criatividade e visão empreendedora de adolescentes e jovens baianos."

segunda-feira, 16 de abril de 2012

SUCESSO DO CORDEL BAIANO EM MARACÁS E PLANALTINO

Os projetos UMA PROSA SOBRE VERSOS e PALAVRA DE POETA,
realizados este final de semana nas cidades de Maracás e Planaltino,
respectivamente, conseguiram emocionar as plateias e os poetas convidados
Jotacê Freitas e Luiz Natividade, também xilogravurista.
Tendo como curador o poeta José Inácio Vieira de Melo, e
coordenados pelos diretores de cultura Edmar Vieira, em Maracás, há 5 anos; e
Edvaldo Costa, em Planaltino, há 2 anos; os projetos consistem na declamação jogralesca
de dois poetas convidados pelos grupos teatrais locais: CONCRIZ - Maracás, FLOR
DE MANDACARU E RENASCER - Planaltino, para em seguida entrevistar os poetas no
palco. Os eventos tiveram shows musicais nas suas aberturas. Em Maracás, o
grupo Luzeiro, com um magnífico repertório à base de MPB. Na cidade de
Planaltino, Professor Ary e seus alunos,
com canções de axé. A iluminação e decoração concebidas pelo artista plástico
Manoel Paciência, optou pela simplicidade e artesanato local. Presentes na
plateia diversas autoridades e artistas.
Neste bate-papo, conduzido pelo poeta e curador José Inácio
Vieira de Melo, os poetas Luiz Natividade e Jotacê Freitas, falaram de suas
vidas, suas obras, suas influências literárias e artísticas, para em seguida
lerem um folheto para as plateias das duas cidades.
O Grupo Concriz, em Maracás, selecionou dois poemas de Luiz Natividade:
O Orgulhoso Avarento e O Amor de Lita. O Grupo Flor de Mandacaru, recitou, além
de uma biografia de Jotacê Freitas, os folhetos A Mijada do Baiano derruba
Concreto Armado, Ouvido Virou Penico nas cidades da Bahia e O Jumento que
entrou na Faculdade. E o Grupo Renascer, recitou de Luis Natividade, Os Lugares
Mágicos da Bahia e O Orgulhoso que Trpeçou na Sorte.
O poeta Jotacê, recebeu como homenagem uma biografia em forma de cordel, na abertura do recital do Grupo Flor de Mandacaru:

Cordelista de valor
Lá de Senhor do Bonfim
Foi morar em Salvador
Sua vida foi assim
Trabalhou como fiscal
Na feira de São Joaquim.
Fez faculdade de Letras
Na Federal da Bahia
Dedicando-se ao cordel
Com paixão e alegria
Era topar um violeiro
Já saía cantoria.
O contato com o cordel
Se deu ainda na infância
Viu um cego recitando
Que encantou a criança
Sua mãe comprou um livreto
E foi aquela festança.
Foi assim que o José Freitas
Se tornou o Jotacê
Encantado com o cordel
Desgramou a escrever
Já publicou mais de 100
E você precisa ler
Os seus cordéis são porretas
E bastante educativos
O que ali ele escreve
Tem um cunho positivo
Nas feridas do sistema
Ele bota um curativo.

Após as apresentações, os poetas falaram emocionados e encantados com o trabalho
realizados por jovens de 5 a 25 anos, e parabenizaram os organizadores e as
secretarias de educação das duas cidades pelo apoio a estas iniciativas.

terça-feira, 10 de abril de 2012

CORDEL BAIANO EM PROSA E VERSO & PALAVRA DE POETA

PROJETO UMA PROSA SOBRE VERSOS
2012 – ANO V
Coordenador: Edmar
Vieira
Curador: José Inácio Vieira
de Melo
13 de abril – Jotacê Freitas (BA) e Luiz Natividade
(AL/BA)
11 de maio – Martha Galrão (BA) e Raimundo Gadelha
(PB/SP)
8 de junho – Iolanda Costa (BA) e Júlio Lucas
(BA)
3 de agosto – José Geraldo Neres (SP) e Lívia
Natália (BA)
14 de setembro – Iracema Macedo (RN/RJ) e José
Inácio Vieira de Melo (AL/BA

terça-feira, 3 de abril de 2012

CORDEL BAIANO PARA DONA FRANCISQUINHA

A comunidade de Itapuã esteve reunida na Praça do Genipapeiro, no dia 02/04, a partir das 19 horas, para homenagear Dona Francisquinha Passos, falecida há 10 anos, que se viva fosse completaria 96 anos de idade. Ela foi uma mestra popular que durante anos comandou o Grupo Mantendo a Tradição, responsável pela manutenção e revivamento das festas locais. Também contadora de causos e histórias, Dona Francisquinha é referência em Itapuã quando se fala em cultura popular. A comemoração promovida pela comunidade contou com o apoio da CRE Itapuã, Escola Municipal Manoel Lisboa, Casa da Música da Bahia e Associação de Moradores.
Participaram do evento alunos e professoras das escolas Manoel Lisboa e Malê De Balê, a cantadeira Dona Salvadora, o Grupo Capoeira Jequitibá, os Rapers Uil e Morcegão do Grupo Exilados do Sistema, Mestre Henrique, As Ganhadeiras de Itapuã, João Jonga de Lima, Amadeu Alves, Fabrício Rios, Joaquim Carvalho e grupos de dança de pagode. Foi emocionante a participação performática de Nenega, neta de Dona Francisquinha, que leu um belo poema em sua homenagem.
Na ocasião foi distribuído o cordel "Francisquinha, a mais querida amiga de Itapuã", de autoria do professor e poeta Jotacê Freitas, onde ficou evendiciado a importância desta personalidade para toda a cidade: Querida por todo mundo

Velhos jovens e crianças

Dona Francisquinha era

O vetor da esperança

Usava a sabedoria

Pra ensinar o que sabia

Com amor e sem cobrança.


É referência histórica

Pra nossa comunidade

Pois foi a memória viva

Aguerrida de verdade

E aqui homenageamos

A esta que tanto amamos

Com toda sinceridade.

quarta-feira, 28 de março de 2012

CORDEL BAIANO NO FESTIVAL DE HUMOR DA BAHIA

O FHUBÁ - Festival de Humor da Bahia, que será realizado dias 31/03 e 01/04, no Teatro Castro Alves, numa grande virada cultural de 24 horas, terá diversas atrações do humor baiano, entre elas a presença dos poetas Franklin Maxado, Antonio Barreto e Jotacê Freitas, com seus folhetos de gracejos e críticas sociais. Acompanhe a programação no seguinte endereço: http://www.fhuba.com.br/site/category/programacao/

terça-feira, 20 de março de 2012

VIVA A POESIA VIVA: CORDEL BAIANO

Finalmente ocorreu o tão esperado encontro entre os três melhores cordelistas da Bahia: Franklin Maxado Nordestino, Antonio Barreto e Jotacê Freitas. Conhecidos como a tríade mais produtiva na contemporaneidade, os poetas são amigos de longa data e primam pela qualidade técnica e estética do cordel, levando esta arte para os diversos espaços artísticos e populares, além de estimularem e praticarem o uso do cordel como ferramenta pedagógica nos meios educativos.

Organizado pelo poeta e ativista cultural, Douglas de Almeida, também diretor da Biblioteca Betty Coelho, o evento VIVA A POESIA VIVA, ocorreu ontem, dia 19/03, no Espaço Cultural da Barroquinha, com a presença de um grande público interessado em conhecer um pouco mais sobre a história destes três baluartes da poesia popular baiana. Por coincidência, nesta data, comemorou-se também os 105 anos de nascimento de Cuíca de Santo Amaro, figura emblemática em nossa literatura de cordel e que foi ‘interpretado’ e representado pelo poeta Gilberto Teixeira.

Franklin Maxado emocionou-se ao recordar histórias dos seus 40 anos de arte e viagens pelo Brasil e América do Sul e Central, declamando e vendendo seus folhetos e xilogravuras.

Antonio Barreto, sempre com muito humor, não deixou de mostrar seu lado professoral e "religioso", ele que já é autor de mais de 100 folhetos sobre os mais variados temas, principalmente da programação televisiva, como o Big Brother, que teve uma repercussão nacional.

Jotacê Freitas, recordou a vida de Cuíca de Santo amaro, declarando-se uma reencarnação deste, que foi o maior poeta de cordel da Bahia, sem deixar de lado sua produção que critica os hábitos contemporâneos dos baianos.

Após a ‘aula-espetáculo’ e o bate-papo bem conduzido pelo anfitrião Douglas Almeida, ocorreu a venda de livros e folhetos, coquetel regado a vinhos e uvas, comemoração de aniversário da aluna Sandra da Unijorge, caravana que se fez presente com o Prof. Marcelo Dalcon, e a confraternização entre amigos que acreditam na arte poética como mola propulsora de uma sociedade mais humanizada e humanizante.